Reclamação para preservar a competência dos tribunais

Há previsão constitucional da Reclamação para ser preservada a competência do STF, STJ e TST. A Constituição Federal, respectivamente, nos artigos 102, inciso I, alínea “l”, 105, inciso I, alínea “f”, e 111-A, § 3º, trata dessa hipótese.

A competência dos tribunais está estabelecida na Constituição.

O CPC trata também da Reclamação nos artigos 988 a 993, proposta para “qualquer tribunal”, destaca-se:

Art. 988. Caberá reclamação da parte interessada ou do Ministério Público para:

I – preservar a competência do tribunal;

[…]

§ 1º A reclamação pode ser proposta perante qualquer tribunal, e seu julgamento compete ao órgão jurisdicional cuja competência se busca preservar ou cuja autoridade se pretenda garantir.

Além disso, os próprios tribunais versam nos regimentos sobre a Reclamação contra autoridade judiciária, a fim de preservar
a competência. Por exemplo, no Regimento Interno do Tribunal de São Paulo, a matéria é tratada nos artigos 195 e seguintes.

Reclamação e violação da competência do tribunal

A Reclamação não é espécie de recurso para reformar as decisões, porque possui natureza jurídica de ação. Vale dizer, não se presta para simplesmente tentar reverter decisão diante da qual a parte não se resignou:

Nos termos 988, § 1º do NCPC é cabível a Reclamação para preservar a competência do Tribunal, […] desde que […] haja esgotado a instância ordinária. (AgInt na Rcl 35.330/RS, Rel. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 14/11/2018, DJe 21/11/2018)

Destarte, conforme a jurisprudência pacífica dos tribunais superiores, é cabível a Reclamação para preservar a competência do tribunal, depois do esgotamento dos recursos.

Para ilustrar melhor, se o presidente do tribunal estadual inadmite recurso especial ou extraordinário, o meio apropriado para combater a decisão é, em regra, o agravo disposto no artigo 1.042 do CPC.

Todavia, se, posteriormente, o presidente negar seguimento também ao agravo em recurso especial ou extraordinário, por exemplo, por intempestividade, há usurpação da competência do tribunal superior.

Isso porque o artigo 1.042, § 4º, do CPC, estabelece que, nessa situação, o agravo deve ser remetido ao STF ou ao STJ, após o prazo para resposta. E não há a previsão de interposição de outro recurso perante o tribunal a quo, ou inferior.

Portanto, quando o tribunal negar seguimento ao agravo em recurso especial ou extraordinário, em desconformidade com o artigo 1.042, caput e § 4º, do CPC, é cabível a Reclamação: “A competência para julgar agravo de instrumento interposto de decisão que inadmite recurso especial é do Superior Tribunal de Justiça” (Rcl 5.135/RJ, Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 27/04/2011, DJe 09/05/2011).

Ora, a competência para julgar o agravo em recurso especial é do STJ. Ademais, a competência para decidir sobre o agravo em recurso extraordinário é do STF.

Prazo

A Reclamação não é recurso. Logo, não se aplica, a princípio, o prazo geral de 15 dias dos recursos do artigo 1.003, § 5º, do CPC.

O artigo 988, § 5º, do CPC, dispõe que não se admite Reclamação de decisão já transitada em julgado.

Assim determina igualmente a Súmula nº 734 do STF: “Não cabe reclamação quando já houver transitado em julgado o ato judicial que se alega tenha desrespeitado decisão do Supremo Tribunal Federal”.

Então, a medida será tempestiva desde que adotada antes do trânsito em julgado da decisão reclamada.

Processamento

A Reclamação deve ser dirigida ao presidente do tribunal cuja competência se busca preservar e instruída com a prova documental.

Assim, quem apresenta a medida é o Reclamante, e o Reclamado é quem violou a competência do tribunal ad quem.

Após a distribuição, o relator requisitará informações. Se necessário, suspenderá o curso do processo, e intimará o beneficiário da decisão reclamada, o polo adverso, para contestar.

A suspensão do processo se dá para evitar dano irreparável.

O prazo para impugnar é de 15 dias, de acordo com o artigo 989, inciso III, do CPC.

Caso procedente, o tribunal cassará a decisão exorbitante de seu julgado ou determinará medida adequada à solução da controvérsia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *